post-image

Kika

O que é uma «future star»? Alguém com uma voz contagiante e invulgar que, com a sua personalidade alegre e cativante, leva a acreditar que a música pode, realmente, fazer sonhar. Kika é uma «future star» – o epíteto é de RedOne, o mago premiado com Grammys, que trabalhou com Lady Gaga e Michael Jackson e que assinou a produção do grande cartão de visita desta jovem do Porto. «Guess It's Alright» tornou-se rapidamente um sucesso, subindo aos tops de preferências das rádios nacionais.

As primeiras memórias de Kika levam-na às viagens de carro, onde, recorda, «era o meu pai quem comandava a selecção – mas o meu pai tem bom gosto, ouvíamos os clássicos». Foi ali, no banco de trás, com a paisagem como plateia, que começou a cantar. «Quem gosta de música, nasce a gostar. Sempre adorei cantar e foi isso que quis trabalhar». O interesse levou-a também a querer tocar. «Com 5 anos, pedi aos meus pais para aprender piano. Depois, comecei com a guitarra e, há uns dois anos, comecei a aprender bateria. Gostava de tocar muito mais instrumentos: os diferentes sons, o trabalho que cada um permite – tudo isso é muito interessante».

A curiosidade presente nos seus olhos pode ser confundida com a sua juventude: Kika tem, apenas, 15 anos mas há muito que sabe o que quer. Estudante desde criança num colégio internacional, a aprendizagem bilingue fez com que traga o inglês na ponta da língua, da mesma forma que carrega o português no coração. Mas foi também no colégio que Kika compreendeu que, no que à música dizia respeito, queria aprender muito mais do que estava integrado no currículo. Escolheu a escola que queria frequentar e para lá se encaminhou, com a mãe. «Só que, como não havia lugar para estacionar, fomos à do lado». Quando entraram, foram recebidas por uma cara familiar. «O Arlindo Silva estava à porta. Disse logo à minha mãe que era ali que queria ficar». Além de dono da JAHAS, Academia de Artes – Rockschool, Arlindo Silva é violinista da Orquestra da Casa da Música e professor no colégio onde a Kika estuda. A mãe perguntou a Kika de onde se conheciam, longe estava, então, de saber a importância determinante que o violinista viria a ter no percurso da filha.

Todos os sábados, na JAHAS, é levado a cabo um combo, uma reunião musical com todos os estudantes. Foi aí que Arlindo Silva se apaixonou pela voz da Kika e viu o seu tremendo potencial. «Até aí, achávamos que só nós é que gostávamos», confessam os pais. E eis que surge Dan McAlister, o músico britânico há muito radicado em Portugal, também professor no mesmo colégio e na JAHAS. «Ele e o Arlindo começaram a falar entre eles… Eu estava com o Dan, numa banda, na escola, e ele tinha algumas canções compostas. Quando me perguntou se eu estava interessada em cantá-las, começámos a trabalhar juntos».

Com Dan McAlister, Kika embarcou na jornada que viria a mudar a sua vida. «O Dan conhecia um produtor, no País de Gales, e, tanto ele quanto o Arlindo, acharam que era o espaço perfeito para a gravação do álbum». Quando deu por si, Kika estava no Twin Peaks Recording Studio, no Parque Nacional de Brecon Beacon, com Adam Fuest na cadeira da produção, o mesmo homem que trabalhou com os Cure ou Babyshambles. «Adorei estar em estúdio e senti-me muito bem. Nem posso dizer que tenha ficado nervosa. Se me enganasse, ou se cantasse menos bem, repetíamos até ficar ao nível que queríamos». Foram dias intensivos mas onde a alegria que a música desperta em Kika lhe deu uma energia acrescentada. «Diverti-me imenso! Gravava todo o dia e, depois, continuava a cantar: no carro, no hotel… Cheguei a sentar-me no piano do bar do hotel, a tocar e a cantar». Com parte do disco gravado no Reino Unido, o trabalho viria a ser concluído em Matosinhos, no estúdio onde Kika hoje ensaia.

«KIKA», o seu álbum de estreia, pode ter nascido assim mas o destino viria a mostrar que a sua história estava escrita nas estrelas. Através de contactos comuns, as canções registadas na Europa atravessaram o Atlântico e foram parar às mãos de RedOne, um dos mais importantes produtores da constelação musical actual – que se deixou conquistar por Kika! «Para não criar muitas expectativas, isto foi tudo feito um pouco sem eu saber. Aliás, só soube quando ele já tinha mostrado interesse em trabalhar comigo». RedOne acabou por produzir «Guess It's Alright», a primeira amostra retirada de «KIKA». «Quando a oportunidade de trabalhar com RedOne surge, ninguém pensa duas vezes», afirma, categórica. «Não há como não gostar do seu trabalho! Tenho muito respeito pelos artistas com quem ele trabalhou e é um privilégio que o meu nome surja associado ao produtor desses grandes vultos».

A arte de RedOne elevou «Guess It's Alright» a um novo patamar. «Sempre gostámos do que tínhamos mas só nos demos conta que podia chegar a outro nível quando recebemos o trabalho dele, quando ouvimos o antes e o depois e percebemos os elementos que ele adicionou, a forma como mexeu na música», recorda Kika. «Ficámos muito entusiasmados e achámos que podia resultar». As dúvidas rapidamente foram dissipadas: duas semanas depois de ter entrado em airplay nacional, «Guess It's Alright» chegava ao topo das preferências dos ouvintes da Rádio Comercial. «Senti-me muito realizada: ser nº1 significa que há mais pessoas a gostar daquilo que estou a fazer».

Composto por 11 canções, «KIKA» chega às lojas a 25 de Março com o selo da Universal Portugal. Nessa altura, todas as perguntas terão resposta: porque, afinal, o que torna Kika realmente diferente? Em «KIKA», a sua juventude abraça, de forma soberba, uma tremenda vontade de aprender e de incorporar as sonoridades que sempre a acompanharam mas às quais, agora, acrescenta algo diferente. Algo seu. «Toda a música que ouvimos nos influencia. Gosto de vários estilos: gosto de pop mas também de soul; gosto de Joss Stone mas também oiço Taylor Swift e Maroon 5. Na minha música, todos estes estilos diferentes acabam por se complementar e formam aquilo que sou». Mas há algo ainda mais determinante: Kika pode ser adolescente mas a pop que traz na sua voz não tem idade. Se Kika é uma «future star», senhoras e senhores, o futuro já começou!

 

share-twitter

Imagens

post-img-9
post-img-8
post-img-3